20 fevereiro 2007

carmen lópez

Visionaria

Peligroseas mi mundo
con tu lituo de falso augur
me escarpas el futuro saboteas
el bote en el que voy de orilla a orilla
yo sólo quiero al mediodía del siglo
llegar con buen color
sin la voz que presiente en la conciencia
no quiero en mí su sien de cosquilleo
su nudo de catapulta a la garganta
sus presagios de refugio amoniacal
no quiero ser la cruz de su objetivo

sé que a su rancio revólver le queda una bula
que a mi escasa presencia le queda un deseo
y a la implacable vida le falta una muerte
desierta inerte alerta harta de ortiga

de fusil a fósil
sólo hay
onomatopeyas.


Pões em perigo o meu mundo
soprando o teu lituo de falso áugure
escarpas-me o futuro sabotas
o bote que me leva de margem a margem
eu só quero o zénite do século
chegar com boas cores
sem a voz que pressente na consciência
não quero em mim a sua fonte de pruridos
o seu nó de catapulta na garganta
os seus presságios de refúgio amoniacal
não quero ser a cruz do seu objectivo

sei que ao seu gasto revólver lhe falta uma bula
e que à minha escassa presença lhe falta um desejo
e que à implacável vida lhe falta uma morte
deserta inerte vigilante cheia de urtigas

de fuzil a fóssil
só há
onomatopeias.