02 agosto 2017

christina thatcher

Now

I cry all the time
in the most inappropriate places,
even when I don’t feel sad.
My eyes leak like gasoline
from the fuel pump
you masking-taped together
in my old Granada,
or like the patio roof
you never managed to patch up
before the fire.

My body knows you’re dead.
No matter how much I know
I should not be crying
in a toilet cubicle,
in my office,
on the street when I see
people holding hands,
my body remembers
you, in the fat salty tears
which well up and spill
out, just like your laugh
when you were alive.


Agora

Estou sempre a chorar
nos lugares mais inapropriados,
mesmo quando não estou triste.
Os meus olhos gotejam como a gasolina
do tanque de combustível
que remendaste com fita-cola
no meu velho Ford Granada,
ou como o teto do pátio
que nunca conseguiste reparar
antes do incêndio.

O meu corpo sabe que estás morto

Não importa que eu saiba
que não devia estar a chorar
num cubículo de casa-de-banho,
no meu escritório,
na rua quando vejo
pessoas de mão dada
o meu corpo lembra-se
de ti, nas grossas lágrimas salgadas
que se acumulam e derramam
como o teu riso
quando estavas vivo.